Câncer: o que é?

É a denominação genérica de um conjunto de mais de cem doenças que têm em comum duas características básicas: a capacidade das células doentes (neoplásicas) se reproduzirem sem controle, formando tumores e podendo invadir órgãos e tecidos adjacentes, e de se reproduzirem em órgãos e tecidos distantes do tumor original, processo este conhecido como metástase.

O que causa?

As causas podem ser externas ou internas ao organismo e ambas estão inter-relacionadas. As externas têm a ver com o meio ambiente e os hábitos ou costumes próprios de um ambiente social e cultural. Um exemplo é o hábito de fumar que pode causar câncer. As causas internas são, na maioria das vezes, geneticamente pré-determinadas e ligadas à capacidade do organismo de se defender das agressões. As causas podem interagir, aumentando a probabilidade de transformações malignas nas células.

O câncer é hereditário?

De 5% a 10% de todos os tumores malignos têm relação com as características genéticas dos pacientes. Apenas alguns tipos de tumor são herdados, como o retinoblastoma, câncer de olho que se manifesta em crianças. No entanto, existem alguns fatores genéticos que tornam determinadas pessoas mais sensíveis à ação de agentes cancerígenos ambientais, como a radiação ultravioleta B. Isso explica o motivo pelo qual algumas desenvolvem câncer e outras não, quando expostas a um mesmo fator de risco.

Como é feito o tratamento?

O câncer pode ser tratado com cirurgia – para fins curativos ou controle de sintomas – radioterapia, quimioterapia, hormonioterapia e terapias alvo. Muitos casos exigem a combinação de mais de uma dessas modalidades.

A radioterapia é o tratamento no qual se utilizam radiações para destruir um tumor ou impedir que suas células aumentem. O paciente não sente nada durante as aplicações e a radiação é invisível.

A quimioterapia utiliza medicamentos para combater o câncer. Na maioria das vezes, eles são aplicados na veia, mas também podem ser ministrados por vias oral, intramuscular e subcutânea. A química é levada, através do sangue, a todas as partes do corpo, destruindo as células doentes que formam o tumor e impedindo que elas se multipliquem.

Na hormonioterapia, como o nome indica, são utilizados hormônios, especialmente para tratamentos de cânceres de mama e de próstata.

Já as terapias alvo envolvem a utilização de drogas que atuam sobre alterações moleculares específicas de determinados tipos de câncer e bloqueiam o sistema enzimático das células doentes, alterando os comandos internos que fazem as células se comportar de maneira maligna.